Visit www.benjamins.com

EFFE-Escreves como falas – falas como escreves?

MyBook is a cheap paperback edition of the original book and will be sold at uniform, low price.

Buy this article

Price: £15.00+Taxes
Add to favourites

The full text of this article is not currently available.
/content/journals/10.1075/rro.51.1.02gom
dcterms_subject,pub_keyword
6
3
Loading
/content/journals/10.1075/rro.51.1.02gom
Loading

Data & Media loading...

Loading

Full text loading...

References

Adams, M.J
(1990): Beginning to read: Thinking and learning about print. MIT Press, Cambridge, MA.
Alves, D.C
(2012): Efeito das propriedades segmentais em tarefas de consciência segmental, de leitura e de escrita. Tese [Doutoramento em Linguística]. Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa, Lisboa.
Alves, I. , Costa, P. , Lourenço-Gomes, M.C. , Rodrigues, C
(2015): EFFE-On – Corpus Online de Escrita e Fala. Saber & Educar, 20, pp.24–33. (e–ISSN 1647–2144). doi: 10.17346/se.vol20.182
Barret, T.C
(1965): The relationship between measures of pre-reading visual discrimination and first grade reading achievement: A review of the literature. Reading Research Quartely, 1,1, pp.51–76. doi: 10.2307/746973
Bonin, P. & A. Meót
(2002): Writing to dictation in real time in adults: What are the determinants of written latencies, in: Shohov, S.P . (ed.): Advances in Psychology Research, vol. 16. Nova Science Publishers, New York, p.139–165.
Berninger, V. , R.D. Abbott & J. Jones
(2006): Early development of language by hand: Composing, reading, listening, and speaking connections; three letter-writing modes; and fast mapping in spelling. Developmental Neuropsychology, 29,1, pp.61–92. doi: 10.1207/s15326942dn2901_5
Cagliari, L.C
(1989): Alfabetização e Linguística. Scipione, Rio de Janeiro.
(1994): Algumas reflexões sobre o início da ortografia da língua portuguesa. Cadernos de Estudos Lingüísticos, 27, pp.103–111.
Caramazza, A. & R. Miceli
(1990): The structure of graphemic representations. Cognition, 37, pp.243–297. doi: 10.1016/0010‑0277(90)90047‑N
Castelo, A
(2012): Competência Metafonológica e Sistema Não Consonântico no Português Europeu: Descrição, Implicações e Aplicações para o Ensino do Português como Língua Materna. Tese [Doutoramento em Linguística]. Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa, Lisboa.
Castro-Caldas, A. & A. Reis
(2003): The knowledge of orthography is a revolution in the brain. Reading and Writing: An Interdisciplinary Journal, 16, pp.81–97. doi: 10.1023/A:1021798106794
Cubelli, R
(1991): A selective deficit for writing vowels in acquired dysgraphia. Nature, 353, pp.258–260.
Dehaene, S. , F. Pegado , L.W. Braga , et al
(2010): How learning to read changes the cortical networks for vision and language. 330, Science. Versão online. Disponível emwww.sciencemag.org.
Dehaene, S
(2012): Os neurônios da leitura: como a ciência explica a nossa capacidade de ler. Penso, São Paulo. Tradução de Leonor Scliar-Cabral [do original Reading in the Brain, 2009].
Ellis, A.W
(1988): Normal writing process and peripheral acquired dysgraphias. Language and Cognitive Process, 3,2, pp.99–127. doi: 10.1080/01690968808402084
Freitas, M.J. , C. Rodrigues , T. Costa & A. Castelo
(2012): Os sons que estão dentro das palavras. Cadernos Língua 5, Colibri-APP, Lisboa.
Freitas, M.J. , A. Gonçalves & I. Duarte
(coord) (2010): Avaliação da consciência linguística: aspectos fonológicos e sintáticos do português. Colibri, Lisboa.
Furnari, E
(1993): A bruxinha atrapalhada. Global, São Paulo.
Goodman, Y.M
. (org.) (1995): Conhecimento das crianças sobre a alfabetização: um pósfácio, in: Como as crianças constróem a leitura e a escrita: perspectivas piagetianas. Artes Médicas, Porto Alegre.
Guerreiro, H.W.Z.M.R
(2007): Processos fonológicos na fala da criança de cinco anos. Tese (Mestrado em Ciência da Fala), Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Católica Portuguesa-Escola Superior de Saúde do Alcoitão da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, Lisboa.
Guimarães, M.R
(2005): Um estudo sobre a aquisição da ortografia nas séries iniciais. Tese (Mestrado em Educação), Faculdade de Educação da Universidade Católica de Pelotas, Pelotas.
Guinet, E. & S. Kandel
(2010): Ductus: A software package for the study of handwriting production. Behavior Research Methods, 42,1, pp.326–332. doi: 10.3758/BRM.42.1.326
Horta, I.V
(2001): Pensar a ortografia: s, ss, c ou ç? Competências ortográficas no 3º. e 4º Anos de escolaridade do ensino básico. Dissertação [Mestrado em Psicologia: Psicologia Educacional], Instituto Superior de Psicologia Aplicada, Lisboa.
Horta, I.V. & M.A. Martins
(2004): Desenvolvimento e aprendizagem da ortografia: implicações educacionais, Análise Psicológica, 1,XXII, pp.213–223.
Kandel, S. , Hérault, L. , Grosjacques, G. , Lambert, E. , Fayol, M
(2009): Orthographic vs. phonologic syllables in handwritting production. Cognition, 110, pp.440–444. doi: 10.1016/j.cognition.2008.12.001
Kandel, S. , R. Peereman & A. Ghimenton
(2014): How do we code the letters of a word when we have to write it? Investgating double letter representation in French. Acta Psychologica, 148, pp.56–62. doi: 10.1016/j.actpsy.2014.01.002
Kolinsky, R. , C. Pattamadilok & J. Morais
(2012): The impact of orthographic knowledge on speech processing. Ilha do Desterro. Florianópolis, 63, pp.161–186.
Le Boulch, J
(1982): O desenvolvimento psicomotor do nascimento até 6 anos: a psicocinética na idade pré-escolar. Artes Médicas, Porto Alegre.
Lourenço-Gomes, M.C
(1999): Leitura e Escrita e Consciência Fonológica: intervenção em sala de aula. Monografia (Especialização em Distúrbios da Comunicação Humana). Universidade Federal do Estado de São Paulo/ Universidade Católica de Petrópolis, Petrópolis. p.132.
Maslow, P. , M. Frostig , W. Lefever , & J.R.B. Whittlesey
(1964): The Marianne Frostig developmental test of visual perception. Perceptual and Motor Skills, 1963 Standardization, 19, pp.463–499. doi: 10.2466/pms.1964.19.2.463
Mateus, M.H.M
(2002/1962): O problema da ortografia. Métodos de ensino, in: A Face Exposta da Língua. Imprensa Nacional Casa da Moeda, Lisboa, pp.91–135.
Mateus, M.H.M. , A.M. Brito , I. Duarte et al
(2003): Gramática da Língua Portuguesa. 7.a ed., Caminho, Lisboa.
Miranda, A.R.M. & A.P.N. da Cunha
(Orgs.) (2010): Cadernos de Educação: A aquisição e o ensino da língua escrita. 35.
Moojen, S.M.P
(2009): A escrita ortográfica na escola e na clínica: teoria, avaliação e tratamento. Casa do Psicólogo, São Paulo.
Morais, A.G
(2007): O diagnóstico como instrumento para o planejamento do ensino de ortografia, in: Silva, A., Morais, A. G. de & K. L. R. de Melo (Orgs.): Ortografia na sala de aula. Autêntica, Belo Horizonte, pp.45–60.
Morais, J
(1995): A arte de ler. UNESP, São Paulo.
Morais, J. & R. Kolinsky
(2001): Neurociência cognitiva e Psicolinguística: A linguagem escrita, in: Corrêa, L.M.S . (ed.): Processamento linguístico e aquisição da linguagem, Palavra. Nº 6, v. II, Trarepa, Rio de Janeiro, pp.77–93.
Perfetti, C.A
(1997): The Psycholinguistics of spelling and reading, in: Perfetti, C.A. , Rieben, L. & M. Fayol (eds.), Learning to spell: Research, theory, and practice. Lawrence Erlbaum, New Jersey. pp.21–38.
Perrolas, M.P.C.R
(1996): Leitura e escrita no 1o Ano de escolaridade. Dissertação [Mestrado em Psicologia: Psicologia Educacional], Instituto Superior de Psicologia Aplicada, Lisboa.
Pinto, M.G.L.C
(1997): A ortografia e a escrita em crianças portuguesas nos primeiros anos de escolaridade: até que ponto dependem estas habilidades de um bom domínio do oral e de métodos adequados de leitura?Revista da Faculdade de Letras: Línguas e Literatura, XIV, Porto, pp.7–58.
Rayner, K. & E.D. Reichle
(2010): Models of the reading process. Wiley Interdisciplinary Reviews: Cognitive Science, 1,6, pp.787–799. doi: 10.1002/wcs.68
Rayner, K. , A. Pollatsek , J. Ashby , & C. Clifton Jr
(2012): Psychology of reading. 2nd ed., Psychology Press, New York.
Rodrigues, C. , Lourenço-Gomes, M.C. , Alves, I. , Jassen, M. , Gomes, I.L
(2015): EFFE-On - Escreves como falas - Falas como escreves?, CLUL, Lisboa. alfclul.clul.ul.pt/teitok/effe/index.php?
Rodrigues, C. & Lourenço-Gomes
(2016): (no prelo) Estudo longitudinal da proficiência ortográfica no 2º e 4º anos de escolaridade - estruturas /e/, /eI/ e /oU/. Revista Diacrítica (Série Ciências da Linguagem), 30,1.
Rodrigues, J.F.B.N.D
(2013): Avaliação do impacto de um programa de intervenção de sensibilização à linguagem escrita. Dissertação [Mestrado em Psicologia: Psicologia Educacional], Instituto Superior de Psicologia Aplicada, Lisboa.
Santos, R.N
(2013): Aquisição de grupos consonânticos e seu impacto nos desempenhos escritos no 1.0 ciclo do ensino básico. Tese (Mestrado em Linguística), Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Lisboa.
Scliar-Cabral, L
(2003a): Princípios do sistema alfabético do português do Brasil. Contexto, São Paulo.
(2003b): Guia prático de alfabetização. Contexto, São Paulo.
Shen, X.R. , M.F. Damian & H. Stadthagen-Gonzalez
(2013): Abstract graphemic representations support preparation of handwritten responses. Journal of Memory and Language, 68, 69–84. doi: 10.1016/j.jml.2012.10.003
Silva, A. , Morais, A.G. de , Melo, K.L.R. de
(2005): Ortografia na sala de aula. Autêntica, Belo Horizonte.
Sim-Sim, I. , I. Duarte & M.J. Ferraz
(1997): A língua materna na educação básica. Ministério da Educação, DEB, Lisboa.
Snow, C.E. , M.S. Burns & P. Griffin
(Eds) (1998): Preventing reading difficulties in young children. National Academy Press, Washington, DC.
Sousa, O. & A. Cardoso
(2005): Da língua em funcionamento ao funcionamento da língua. Palavras, 27, pp.61–69.
Taft, M
(2006): Orthographically influenced abstract phonological representation: evidence from non-rhotic speakers. Journal of Psycholinguistic Research, 35,1, pp.67–78. doi: 10.1007/s10936‑005‑9004‑5
Tainturier, M-J. , & Rapp, B
(2001): The spelling process. In: Rapp, B . (Ed.)The Handbook of Cognitive Neuropsychology: What Deficits Reveal about the Human Mind. Psychology Press, Philadelphia, pp.263–289.
Vellutino, F.R. , J.M. Fletcher , M.J. Snowling & D.M. Scanlon
(2004): Specific reading disability (dyslexia): What have we learned in the past four decades?Journal of Child Psychology and Psychiatry, 45,1, pp.2–40. doi: 10.1046/j.0021‑9630.2003.00305.x
Veloso, J
(2007): Can ortographic knowledge modify phonological knowledge? Data from a study of Portuguese children’s syllabifications and their relationship with schooling, in: Ilieva-Baltova, P. & K. Petrova (eds.): Psycholinguistic studies. Papers in Honour of Prof. Dr. Tatiana Slama-Cazacu. Riva Publishers, Sofia (Bulgaria), pp.215–236.
(2010): Primeiras produções escritas e operações metafonológicas explícitas como pistas para a caracterização inferencial do conhecimento fonológico. Cadernos de Educação – A aquisição e o ensino da língua escrita, 35, pp.19–49.
(2012): Vogais centrais do português europeu contemporâneo: uma proposta de análise à luz da fonologia dos elementos. Letras de Hoje, 47,3, p.234–243.
Wagner, R.K. , S.B. Piasta & J.K. Torgesen
(2006): Learning to read, in: Traxler, M.J. & M.A. Gernsbacher (ed.), Handobook of psycholinguistics, 2nd ed., Elsevier, New York, pp.1111–1142. doi: 10.1016/B978‑012369374‑7/50030‑4
Yavas, M. , C.L.M. Hernandorena & R.R. Lamprecht
(1991): Avaliação fonológica da criança. Artes Médicas, Porto Alegre.
Ziegler, J. & L. Ferrand
(1998): Orthography shapes the perception of speech: The consistency effect in auditory word recognition. Psychonomic Bulletin & Review, 5,4, pp.683–689. doi: 10.3758/BF03208845
Zunino, D.L. de & A.P. de Pizani
(1995): A aprendizagem da língua escrita na escola: reflexões sobre a proposta construtivista. 2ª ed., Artes Médicas, Porto Alegre.
Zorzi, J.L
(1998): Aprender a escrever: a apropriação do sistema ortográfico. Artes Médicas, Porto Alegre.
http://jbenjamins.metastore.ingenta.com/content/journals/10.1075/rro.51.1.02gom
Loading
This is a required field
Please enter a valid email address